Quinta-feira, 24 de Julho de 2008

O homem a quem parece que aconteceu não sei quê - Gato Fedorento

 

REPÓRTER
O homem a quem parece que aconteceu não sei quê.
 
HOMEM A QUEM PARECE QUE ACONTECEU NÃO SEI QUÊ
Meu amigo, isto o que aconteceu foi muito simples, meu amigo. O que aconteceu foi que eu chego aqui e sou logo confrontado com certas e determinadas situações, hã? E eu digo: “Então, mas como é que é?” e os gajos “Ah e tal!” e eu “Ah e tal, não!”, “Ah e tal, não!”, então eu venho lá de baixo dizem-me não sei quê, chego cá a cima afinal parece que não, em que é que ficamos? E os gajos “Ah, não sei que mais e o camandro…” e eu “Maaau. Tu queres ver que a gente tem de se chatear?”. Porque isto não pode ser, eu sou um gajo que está aqui a trabalhar, eu quero trabalhar, hã? E… e dizem-me, como eu aqui ouvi, dizem-me “ah, não sei quê…”. Mas o que é isto? Que é isto? Que isto não se faz… porque eu sou um gajo que dou-me bem com toda a gente, sim senhor, dou-me bem, por mim está tudo bem e fazem-me isto e há gajos que andam aí e fazem trinta por uma linha e depois, passa tudo incólume, que é coisa que eu não percebo! É que eu assim, não venho… deixo de vir aqui, vou fazer a minha vida para outros sítios, sítios onde inclusivamente malta me diz “Eh pá e tal, sim senhor”, é para lá que eu vou, deixo de vir aqui, pá! Hã? Porque quando eu vejo que há aí palhaços, pá, que falam, falam, falam, falam, falam, falam, pá, e eu não os vejo a fazer nada, pá, fico chateado, com certeza que fico chateado, pá! Está a perceber? Ah!
publicado por Manuel Cardoso às 19:56
link do post | comentar | favorito
|

Indignação com as Vindimas - Gato Fedorento

 

 
APRESENTADOR
No programa de hoje, mais uma vez, um tema polémico: as vindimas. Senhor Basílio Lopes da Silva, qual é a sua opinião sobre as vindimas?
 
BASÍLIO LOPES DA SILVA
Olhe, eu estou magoado e indignado com as vindimas.
 
APRESENTADOR
Porquê?
 
BASÍLIO LOPES DA SILVA
Porquê? Porque o que se passa com as vindimas no nosso país, é um escândalo! É um escândalo! Porque as vindimas, no fundo, é apanhar uvas. E as pessoas lá em casa sabem que aquilo que eu estou a dizer, é verdade. As vindimas é apanhar uvas. Como é que se chama a apanha da maçã? Apanha da maçã! Como é que se chama a apanha da laranja? Apanha da laranja! Como é que se chama a apanha da uva? Ai,ui, as vindimas! Mas o que é isto? Onde é que as uvas são mais que a laranja e a maçã? A laranja e a maçã são excelentes frutas! São excelentes frutas. E quem diz a laranja e a maçã diz a pêra, a banana e o kiwi. Pronto, tudo bem, o kiwi é um bocado maricas, mas a pêra e a banana!
 
APRESENTADOR
Senhor Basílio, dizem-me que ainda temos alguns minutos de cassete para gastar e por isso gostaríamos de filmar mais um pouco de indignação. Que mais o indigna?
 
BASÍLIO LOPES DA SILVA
Eu? Hum, vamos lá a… por exemplo, os cowboys! Os cowboys! O que se passa com os cowboys, é um escândalo. Porque os cowboys, no fundo, são pastores de vacas! Ninguém fala nisto! Ninguém fala nisto! Como é que se chama um pastor de ovelhas? Pastor! Como é que se chama um pastor de cabras? Pastor! Como é que se chama um pastor de vacas? Ai, ui, os cowboys! Mas o que é isto? Mas que brincadeira é esta?
 
APRESENTADOR
Muito bem, parece que não temos tempo para mais indignações…
 
BASÍLIO LOPES DA SILVA
Mas, eu tinha mais uma indignação para…
 
APRESENTADOR
Ah, tinha mais uma…
 
BASÍLIO LOPES DA SILVA
… para efectuar. Eu estou um bocadinho cansado. Mas julgo que me posso indignar sobre, vá lá, um, dois assuntos…
 
APRESENTADOR
Ah, sim. Da régie dizem-me que temos tempo para mais uma – uma indignação.
 
BASÍLIO LOPES DA SILVA
Uma? Ui, o que é que há de… ui hum… ah! Não há chineses carecas! Repare uma coisa, não há chineses carecas! Mas o que é isto? Nós temos caucasianos carecas, temos africanos carecas, mas não se vê um chinês careca! E eles para fazer pirraça, muitas das vezes, rapam, rapam o cabelo, como os do kung-fu, como os do kung-fu, rapam. Como quem diz: “Olha, olha estou a rapar para ficar careca, mas é porque eu quero!”. É má vontade do povo chinês! Posso outra, indignar, outra?
 
APRESENTADOR
Acho que sim, força!
 
BASÍLIO LOPES DA SILVA
Então, eeh, não tenho mais. Posso me indignar amanhã? Eu passo cá amanhã e indignava-me.
 
APRESENTADOR
Mas… não sei ia lá fora fumar um cigarro e depois indignava-se mais um pouco?
 
BASÍLIO LOPES DA SILVA
Não me dá jeito indignar hoje. Posso…
 
APRESENTADOR
É que amanhã… amanhã não vamos ter tempo para indignação, temos uma agenda lixada.
 
BASÍLIO
E mágoa, posso trazer mágoa amanhã?
 
APRESENTADOR
Amanhã, mágoa, o que é que acham pessoal? Mágoa?
publicado por Manuel Cardoso às 19:11
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 23 de Julho de 2008

Gajo de Alfama - Gato Fedorento

 

MODERADOR
Consternação, tristeza, sofrimento, mágoa. São tudo palavras do dicionário. Mas deixemos isso. Hoje connosco para discutir o problema do terrorismo internacional temos o General Ilídio Fonseca, militar na reserva; o doutor Pedro Fonseca, comentador político e um gajo de Alfama. Senhor General, muito boa noite. Qual é para si a melhor maneira de abordar o problema do terrorismo?
 
GENERAL ILÍDIO FONSECA
É provavelmente a questão mais complexa do mundo actual e há que abordá-la tendo em conta os aspectos geoestratégicos. Porque o terrorismo não conhece fronteiras!
 
MODERADOR
- Doutor Pedro Fonseca, como é que um comentador político vê esta questão?
 
DR. PEDRO FONSECA

 

Olhe, eu creio que a grande questão aqui é a dificuldade que as democracias têm em lidar com o terrorismo. A ameaça terrorista, como todos sabemos aqui, é uma ameaça global.

 
MODERADOR
- Gajo de Alfama, qual é a sua opinião sobre este assunto?
 
GAJO DE ALFAMA
- Vamos lá a ver uma coisa… eu quanto a mim o que era preciso era que os americanos mandassem bombas para tudo o que é país muçulmano, hã? Começava-se em Marrocos e só paravam, vamos supor, no Chile. Porque o muçulmanoé um gajo que eles aquilo desde pequenos, ensinam-lhes a fazer bombas com uma garrafa de bagaço e uma caixa de fósforos, estás a perceber? Aquilo é um povo que só está bem a rebentar. Os gajos… um gajo daqueles que aos quinze anos ainda não tenha rebentado com uma coisa qualquer é um gajo que está lá a faltar o respeito ao Buda, ou lá o que é.
 
MODERADOR
- Bom, parece-me que foi introduzida uma questão interessante por parte do gajo de Alfama que é a questão da ameaça islâmica.
 
GENERAL ILÍDO FONSECA
Claro, claro. O terrorismo também tem raiz num choque de civilizações.
 
DR. PEDRO FONSECA
Exacto, embora seja preciso, aqui, fazer notar que Islão e Al Caeda não são uma e a mesma coisa, não. Islão é uma coisa, terrorismo é outra coisa.
 
GAJO DE ALFAMA
Pois, e mais, e mais. Eu tenho um vizinho que esteve emigrado nos Estados Unidos muito tempo. Eh pá, e o gajo sabe, que os gajos lá dentro sabem, e depois não passa cá para fora. O gajo sabe que os americanos estão a fazer uma bomba que só mata gajos muçulmanos. Que é uma bomba que vai lá pelo cheiro a caril. Gajo que cheire a caril, está lixado. Por isso é que eu cortei com tudo o que é frito. Quando os americanos largarem a bomba, um gajo que tenha o cheiro a chamuça entranhado na roupa não vai a lado nenhum, fica logo. Mais, outra, o meu filho anda na escola com um puto que é cigano, que lhe gamou, há dias, a lancheira, não é? E depois querem que haja paz no mundo, não é? Ciganos são outros. É um povo, é um povo que era todo para ir à vida também.
 
GENERAL ILÍDIO FONSECA
Bom, atenção, atenção. Já estamos aqui a entrar no simples e puro racismo.
 
GAJO DE ALFAMA
Eh pá, ó, ó, ó meu general, portanto, continência e tal, sim senhor, mas não, mas não me venha com fitas, pá, porque eu estive na Guiné. Estive na Guiné, sei como é que isto, malta da tropa e tal, está bem? Porque muitas vezes, na véspera de um combate – isto vi eu, ninguém me contou, isto vi eu – na véspera de um combate metiam um dente de alho, digamos… no cu, que isto é mesmo assim, porque aquilo dá febre, e no dia seguinte: “Ah e tal sargento, estou com febre, não posso ir para o combate” e eu que nunca meti nada no cu, lá ia. Tinha que ir combater. Portanto, vocês, malta da tropa, não me venham com fitas que a mim não me apanham nessa. Sujeito a levar algum balázio porque nunca meti… nem alhos nem nada… nunca meti isto… no cu!
publicado por Manuel Cardoso às 23:57
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 21 de Julho de 2008

Marcelo e o Aborto - Gato Fedorento

Sketch dos Gato Fedorento feito em Janeiro de 2007, a parodiar a opinião do Prof. Marcelo Rebelo de Sousa sobre o aborto e a sua despenalização ou não.

 

 MARCELO REBELO DE SOUSA

São agora dez horas do dia 21 de Janeiro de 1987… o que significa que o meu relógio está parado… bom, arranca hoje, o Assim Não, um site de minha iniciativa, com o apoio de dezenas de jovens. Assim não porquê? Porque a pergunta que nos é feita no referendo é uma pergunta mentirosa. Uma coisa é a despenalização do aborto, outra coisa é a liiiiiberalização do aborto… é diferente. Concordo com a primeira parte da pergunta, discordo com a segunda parte da pergunta. Tenho dúvidas em relação a três vírgulas e sou contra o ponto de interrogação. Com esta lei a mulher pode abortar porque sim! Pode abortar porque sim! Vou ao cinema, olha está esgotado, vou abortar. Tenho a tarde livre, vou abortar! Não podemos permitir que isso aconteça. Despenalização da mulher que aborta, a favor, liiiberalização do aborto, contra. Portanto se a pergunta fosse: Concorda com a despenalização da mulher que aborta num sítio todo badalhoco sem condições nenhumas, eu votava que sim! Agora num estabelecimento de saúde autorizado, não. Comigo tenho uma jovem, residente em Cascais, que está visivelmente impressionada com o meu brilhantismo e que me vai colocar umas perguntas previamente ensaiadas, Elisa:
 

ELISA

Professor, o aborto é uma coisa extremamente horrível, não é!
 

MARCELO REBELO DE SOUSA

 É
 

ELISA

Portanto, devia ser proibido?
 

MARCELO REBELO DE SOUSA

Exacto.
 

ELISA

Mas eu poderia fazê-lo?
 

MARCELO REBELO DE SOUSA

Podia.
 

ELISA

E o que é que me acontecia?
 

MARCELO REBELO DE SOUSA

Nada.
 

ELISA

Mas estava a ir contra a lei?
 

MARCELO REBELO DE SOUSA

Estava.
 

ELISA

E como é que a lei me punia?
 

MARCELO REBELO DE SOUSA

De maneira nenhuma.
 

ELISA

Isso não é um bocadinho incoerente?
 

MARCELO REBELO DE SOUSA

Pssht. O aborto é proibido, mas pode-se fazer. Só que é proibido, mas pode-se fazer. Só que é proibido. O que é que acontece a quem o faz? Nada. Só que é proibido, mas pode-se fazer. Só que é proibido.
 

ELISA

Então, posso fazer um aborto?
 

MARCELO REBELO DE SOUSA

Pode.
 

ELISA

Só que é proibido?
 

MARCELO REBELO DE SOUSA

É
 

ELISA

E o que é que acontece?
 

MARCELO REBELO DE SOUSA

Nada.
 

ELISA

Ah.

publicado por Manuel Cardoso às 15:33
link do post | comentar | favorito
|

Os Sketches

Se gosta de, entre amigos, interpretar sketches dos Gato Fedorento, Monty Python, Herman, Os Contemporâneos, entre outros, este blogue e para si. Pede-se colaboração - postando os guiões dos sketches na zona de comentários.

publicado por Manuel Cardoso às 15:11
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
22
25
26

27
28
29
30
31


.Guiões Recentes

. O homem a quem parece que...

. Indignação com as Vindima...

. Gajo de Alfama - Gato Fed...

. Marcelo e o Aborto - Gato...

. Os Sketches

.Arquivo

.Contador de Visitas

blogs SAPO

.subscrever feeds